A CIDADE DE LUXOR EM UM DIA E MEIO-PARTE 1

Visita noturna ao templo de Luxor, passeio de balão e fábrica de alabastros.

Cheguei em Luxor no fim da tarde do dia 31 de janeiro de 2019. O cruzeiro parou em um local um pouco afastado do centro da cidade, mas na área de estacionamento, Mrs. Bob, guia e intermediário de passeios, já me aguardava para irmos para o hotel em um táxi. Embora fizesse um pouco de frio, e eu ainda me sentir abatida da gripe que havia me acometido assim que cheguei a Aswan, estava tão entusiasmada por essa parte da viagem que mal conseguia desgrudar da janela do carro.

 A cidade de Waset, que depois foi renomeada pelos gregos como Tebas foi a capital do Egito Antigo por mais de 1.500 (mil e quinhentos) anos. Luxor é uma cidade linda, cortada pelo rio Nilo, com um ar romântico e bem limpa, se consideramos o Cairo como ponto de partida. Aliás, do ponto de vista de limpeza, o Cairo está sempre em desvantagem.

Luxor pode ser dividida em duas cidades, a cidade dos vivos: do lado leste, sol nascente, onde o povo vivia e também onde foram construídos os templos. E a cidade dos mortos: lado oeste, sol poente, parte da cidade em que estão os túmulos dos faraós e das rainhas, o famoso Vale dos Reis e das Rainhas.

Uma informação interessante de compartilhar é que apesar de associarmos toda grandeza do Egito a cidade do Cairo e os arredores, é Luxor a principal cidade do Egito Antigo, um museu a céu aberto. Durante a estádia, também me foi dito que Luxor concentra um terço dos tesouros da humanidade, mas não sei isso é conversa de guia ou fato real, hahaha. A única coisa que posso afirmar com certeza, é que Luxor não pode ser desprezada em nenhuma hipótese dentro do seu roteiro.

Hospedei-me no hotel San Joseph, estabelecimento antigo, mas com uma vista incrível para rio Nilo, que captou meu coração assim que cheguei.
Após me instalar, fui imediatamente conhecer o templo de Luxor, monumento que fica na rua principal da cidade, na margem leste do rio Nilo, como se fosse um shopping a céu aberto, próximo a outros templos e pontos turísticos da cidade.
Inclusive, é unânime entre todos os viajantes no Egito: se possível, conheça o templo de Luxor entre o fim da tarde e à noite, pois tem um por do sol lindo, e uma iluminação noturna espetacular!
O templo de Luxor é dedicado ao Deus Amón, cuja construção foi iniciada pelo arquiteto Amenófis III, sob ordens do faraó Amenhotep III, sendo que posteriormente a construção do Templo também passou pelo comando de Tutancâmon, Ramsés II e outros figurões do Egito Antigo.
Na entrada do templo, existiam 02 (dois) grandes obeliscos de granito vermelho, porém, atualmente só existe um obelisco no local, já que o segundo foi levado para Paris, como presente, para decorar a Place de la Concorde.
Do mesmo modo, originalmente, na entrada do templo, em uma clara demonstração de poder, característica típica de tudo que Ramsés II construía no Egito, também existiam 06 (seis) estátuas enormes do Faraó sentado, como uma espécie de boas-vindas. No entanto, apenas duas sobreviveram a ação do tempo e do deserto.
Como eu precisava acordar muito cedo para o passeio de balão no próximo dia, sai do templo, passei em uma pizzaria e fui direto para o hotel descansar. Acordei as 03h30min da manhã, com um frio de morrer e uma vontade absurda de ficar na cama. No inverno, o passeio de balão começa às 05h:00min da manhã, para que já possamos ver o sol nascer nos ares!
Existem muitas empresas que realizam o passeio de balão em Luxor, eu fiz este passeio com a equipe da safari ballons, a empresa tem página no instagram e no facebook, se vocês quiserem conferir. Foram muito profissionais, super pontuais, atenciosos e explicaram todo o procedimento necessário.
Neste passeio estava incluído o translado de ida e volta para o hotel. Portanto, segui de van até o Rio Nilo, onde eu e outros viajantes fomos alocados em um barco, momento em que foi servido um simples café da manhã.
Quando chegamos a outra margem do Rio, seguimos até o local onde ficam os balões, ocasião em que aguardamos os balões serem enchidos, bem como são explicadas todas as regrinhas do passeio, para então esperarmos o momento tão sonhado de subir ao céu.
O tradicional passeio de balão feito na cidade de Luxor nos proporciona uma dupla visão da cidade. De um lado, tem-se o deserto, sobrevoando o Vale dos Reis e o Templo de Haptshepsut, e de do outro, toda plantação fértil e vegetação verde existente as margens do rio Nilo.

Não existem palavras capazes de expressar o sentimento que vivi ali. Sem medo, posso dizer que foi a melhor experiência da minha primeira viagem. É um passeio muito seguro e que vale o investimento.
Ainda inebriada pelo passeio de balão, voltei ao hotel e o motorista, juntamente com o guia que havia contratado para os demais passeios na cidade, já me aguardavam. O recepcionista do San Joseph havia preparado um café da manhã para viagem que degustei ao longo do trajeto para a fábrica de alabastros. Grave bem essa palavra, pois “alabastro” será a primeira palavra que você vai aprender assim que chegar ao Egito! Hahahaha.
Alabastro é um tipo de rocha originário do Egito e da Argélia. Foi muito utilizada em peças, construções, tumbas, sarcófagos e alguns monumentos no Egito Antigo. Você vai encontrar inúmeras lojinhas pelo Egito que vendem diversos objetos feitos de alabastro, mármore, calcário e granito, mas, com certeza, as peças de alabastro são as que mais captam nossa atenção.
O passeio a fábrica de alabastros é totalmente dispensável se você já realizou todas as compras de souvenirs que deseja. Contudo, saiba que Luxor é conhecida como a cidade dos Alabastros. Portanto, além de ter inúmeros estabelecimentos que fabricam lindas peças do material, é o local com os melhores preços e garantia de que você não estará levando nada falsificado para o seu país. Além disso, algumas fábricas proporcionam um tour nos ateliês, com explicações sobre todo o processo de fabricação das peças, que utilizam, sobretudo muita técnica, paciência e criatividade dos artesões. Prepare-se, pois com certeza você terá vontade de levar meio mundo de coisa.
Após muitas negociações financeiras e muita frustação por estar com muito peso na mala, e, por conseguinte, não poder comprar os objetos mais pesados e que demandariam mais espaço da mala, sai da fábrica com peças e presentes para todos os meus queridos do Brasil, e fechei minha temporada de compras no Egito.

Quer saber um pouco mais sobre essa viagem incrível? Segue a @agarotaviajante no Instagram e corre nos meus stories fixados no perfil para visualizar cada passeio que eu fiz por lá!

©2019 por Shawanna Becker.