BUENOS AIRES: UMA MANHÃ EM PALERMO

Antes de começar a relatar o quão incrível é a região de Palermo, devo alertar que eu não recomendo que você vá a primeira vez a Buenos Aires no período do ano novo. O motivo? Você pode encontrar muitos parques, museus, pontos turísticos e até algumas lojas fechadas. Por lá, os feriados de fim de ano são levados muito a sério, e foi exatamente isso que aconteceu quando fui visitar as atrações do bairro de Palermo.

Com certeza os bosques e parque mais bonitos de Buenos Aires estão naquela região, senti como se fossem o pulmão da cidade. As pessoas praticam esportes, andam de patinete, bicicleta ou somente caminham ao ar livre. Tudo é valido.

Palermo tem uma extensa área verde conhecida como Parque 3 de Febrero, do qual faz parte o Parque Del Rosedal, são tantas rosas que você sentirá na novela Alma gêmea! Hahaha. Além disso, o parque oferece fontes, lagos, pontes e tudo mais que você puder apreciar na sua visita.

Porém, para minha infelicidade, resolvi visitá-lo no dia 31 de dezembro de 2019 e tive a desagradável surpresa de encontrá-lo fechado, sendo que só abriria ao público a partir do dia 03 de janeiro de 2020, quando não mais estaria em Buenos Aires.

Pois bem, gastando todo meu portunhol, conversei com um dos jardineiros do parque para que me deixasse entrar, e ele muito amável me pediu uma “gorjeta” de $100 pesos. O famoso jeitinho brasileiro também é argentino, pelo visto. Estava super frustrada, pois o Parque só abriria exatamente no dia que eu iria embora da Argentina, então confesso que paguei e entrei. Curiosamente, na hora que estava saindo do parque, um casal de americanos fez o mesmo... O jardineiro deve ter faturado horrores naqueles dias.

Em geral, a entrada do parque é gratuita e é aberto à visitação de terça a domingo, das 8h às 17h no inverno e das 8h às 20h no verão. É realmente lindo para se visitar com calma, até porque não tem nada parecido como isso aqui na minha cidade, hahaha. Uma pena que minha visita foi super rápida e totalmente diferente de como eu gostaria.  Quero aproveitar mais em uma próxima vez.

Dentro dos bosques, ainda existem alguns lagos, onde você pode andar de pedalinho ou alugar caiaques. Inclusive, apesar de ter ido aos bosques de Palermo durante a manhã, sugiro que você vá a região durante a tarde, pois imagino que seja muito mais agradável para explorar, relaxar e curtir a natureza.

Saindo de lá, a uma distância temporal de caminhada de uns 15 minutos, tentei ir ao Jardim Japonês, um local bastante curioso, uma vez que em Buenos Aires não há uma imigração japonesa tão forte que a priori justificasse a existência de um parque temático, e que diferente do Rosedal, tem cobrança pela entrada.

Em dias normais, o Jardim Japonês abre diariamente das 10h às 18h. No entanto, não consegui conhecê-lo, pois também estava fechado por conta das festividades de fim de ano.

O lugar funciona como um centro cultural japonês. Lá dentro, você pode encontrar viveiros de bonsai, restaurante e casa de chá. Além disso, também sedia exposições, festas e eventos tradicionais japoneses. Outro passeio que ficou para a próxima viagem.

Próximo da região ainda existe o Jardim Botânico, com três diferentes tipos de jardins dentro dele, e ainda uma estufa considerada Patrimônio Histórico Nacional. A entrada para o Jardim Botânico é gratuita. O local fica aberto de segunda à sexta, das 8h às 19h. Aos sábados e domingos, abre meia hora mais tarde e fecha no mesmo horário. No entanto, adivinhem? Fechado também. HAHAHAHA.

Além disso, na região de Palermo também está a atração que eu mais lamento não poder ter conhecido durante a viagem: Planetário Galileu Galilei. O Planetário fica aberto de terça a domingo e os valores dos ingressos variam de acordo com a atração. Pelo que apurei, o ideal é visitá-lo a noite, quando é realizada observações planetárias.

O Prédio tem 05 (cinco) andares e oferece visitas guiadas, exposição e fotografias, observações por telescópio e espetáculos infantis (ótimo para quem viagem com crianças). Também existe um museu, onde está exposto uma rocha lunar coletada em 1969 pela Apolo 11, a missão que levou o Homem a lua.

Desapontada, voltei para o início dos Bosques de Palermo, para um local conhecido como “arcos del rosedal”, um polo gastronômico com muitos restaurantes para todos os gostos, sorveterias e cafeterias próximo aos lagos de Palermo.

No entanto, acabei indo almoçar em uma casa de carnes super bem recomendada chamada “La Cabrera”.  Valeu a pena esperar a fila de quase 2 h para conseguir almoçar. O restaurante é incrível!

Quer saber um pouco mais sobre essa viagem incrível? Segue a @agarotaviajante no Instagram e corre nos meus stories fixados no perfil para visualizar cada passeio que eu fiz por lá!

©2019 por Shawanna Becker.